O que é sustentabilidade?

Quando eu falo sobre sustentabilidade com as crianças, tento explicar o que é “essa coisa”, dizendo: “sustentabilidade é saber cuidar e saber usar, saber usar e saber cuidar, cuidar usando, usar cuidando…”

Também gosto de usar uma citação que encontrei navegando em algum blog por aí: “Sustentabilidade pra mim é construir sem destruir” (Edney Souza).

A definição clássica para este tema é o termo “desenvolvimento sustentável” proposto pela Organização das Nações Unidas, que diz: “Aquilo que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade das gerações futuras suprirem às suas próprias necessidades.”

↳ A sustentabilidade pode e deve ser praticada em nosso dia a dia.

↳ A sustentabilidade pode e deve ser praticada em nosso dia a dia.

Este conceito foi proposto pela ONU através de sua Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento quando publicou o Relatório Brundtland em 1987. Na verdade o nome deste documento é Nosso Futuro Comum (Our Common Future) e resultou do trabalho da Comissão presidida pela ex-primeira ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland, com o ex-Ministro das Relações Exteriores do Sudão, Mansour Khalid, como vice-presidente. Ao todo foram membros de 21 governos que participaram, inclusive o Professor Paulo Nogueira Neto Paulo representando o Brasil.

O conceito apresentado no Relatório Brundtland é bem interessante e importante, inclusive foi considerado por muitos, bastante avançado para os pensamentos da época. Talvez o único problema dele é que o foco é totalmente antropocêntrico, com um ponto de vista exclusivo do ser humano, sem considerar o os outros seres vivos, a biosfera, o contexto global (e universal) do qual fazemos parte.

Diante disso, outras definições aparecem, como a do pensador Leonardo Boff, que é mais holística, integradora, baseada nas conexões entre tudo e todos: “Sustentabilidade é toda ação destinada a manter as condições energéticas, informacionais, físico-químicas que sustentam todos os seres, especialmente a Terra viva, a comunidade de vida e a vida humana, visando a sua continuidade e ainda a atender as necessidades da geração presente e das futuras de tal forma que o capital natural seja mantido e enriquecido em sua capacidade de regeneração, reprodução, e coevolução.”

↳ Conversando com as crianças sobre a importância da Mata Atlântica e dos cuidados com a natureza.

↳ Conversando com as crianças sobre a importância da Mata Atlântica e dos cuidados com a natureza.

Porém, não existe uma definição única ou oficial para o tema sustentabilidade. Ela pode ter diferentes contextos, definições e percepções. Tem gente que utiliza apenas a palavra “sustentabilidade”, outras preferem “desenvolvimento sustentável”, ou ainda “desenvolvimento para a sustentabilidade“. Na verdade, de acordo com as mudanças no mundo e a compreensão da sociedade sobre como as coisas funcionam, as terminologias vão mudando de tempos em tempos. É bom estar antenado e saber a base teórica de cada conceito, mas sem sombra de dúvidas o mais importante é praticar essa tal sustentabilidade!

Ser sustentável não é uma tarefa fácil, seja pra quem for, independente de “onde”e “como”. Acho que podemos concordar que o fato de nós existirmos já causa impacto no ambiente, e o que podemos e precisamos fazer é conseguir minimizar este impacto da melhor forma, certo? Isso serve para cada um de nós, indivíduos, pessoas físicas, cidadãos, e serve também para os governos, organizações e empresas. Mas tem que ser um sentimento verdadeiro, uma vontade real, uma atitude orgânica, sabe aquela coisa que flui naturalmente? É isso. Fazer algo só porque os outros estão cobrando, ou só para aparentar ser “sustentavelzinho” não adianta nada.

E a sustentabilidade representa um desafio mundial, pois ela deve ser economicamente viável, socialmente justa, culturalmente aceita e ecologicamente correta. Bonitas palavras, que na prática, dão um enorme trabalho para acontecer da forma certa. Temos um longo caminho pela frente e para isso acontecer de fato, todos podem e precisam colaborar.

E aí vamos começar (ou melhorar) as nossas práticas sustentáveis?
Um abraço do Rex.

…………………………………………………………………………………………………………………….

Rex é um livre pensador, educador socioambiental e andarilho. Acredita que é essencial (re)pensar a educação junto com as crianças e sempre buscar a sustentabilidade em cada atitude. É o idealizador do portal Pequeno Sustentável. Leia mais publicações dele »

Comentários
  1. Leandro Loureiro Cunha
    • Rex
  2. Professor Celso Martins
    • Rex

Escreva seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *